Cálculos Renais

As pedras nos rins (cálculos renais ou litíase renal), atingem mais de 10% dos brasileiros.

Quando a pedra é pequena e está acomodada dentro do rim, ela tende a ser silenciosa e não dá sintomas. Porém, se a pedra sai do seu lugar original e chega no canal do rim chamado ureter, ela causa uma obstrução e as tão temidas cólicas renais, com uma dor muito forte.

Nesses casos de cólica renal, muitas vezes é necessário um procedimento de desobstrução e retirada do cálculo de urgência, principalmente quando existe uma infecção associada, uma obstrução renal importante, ou quando as dores são insuportáveis.

Como remover as pedras no rins?

Fora desse contexto de urgência, temos a oportunidade de realizar tratamentos para evitar uma crise forte de dor. A remoção das pedras enquanto ainda estão nos rins pode ser feita com um microcâmera flexível, o chamado ureteroscópio flexível. Numa cirurgia sem cortes, através do canal urinário, podemos acessar os rins, capturar as pedras e fragmentá-las com uma fibra de laser flexível. Esse procedimento se chama Ureterolitotripsia flexível. Normalmente, deixamos um cateter chamado duplo J de 7 a 10 dias no ureter (indo do rim até a bexiga) para permitir a recuperação sem complicações do ureter.

Além da remoção com ureteroscópio, podemos realizar a implosão de cálculos com ondas de choque, a Litotripsia Extracorpórea. Esse procedimento não envolve a introdução de aparelhos, sendo menos invasivo. Ainda assim, requer o uso de sedação, e tem taxas de sucesso um pouco menores do que a ureterolitotripsia.

Cálculos muito grandes (superiores a 2 centímetros ou mais) requerem um método cirúrgico com punção do rim e fragmentação das pedras através de um aparelho com energia ultrassônica, a Nefrolitotripsia percutânea. Reservamos essa técnica para cálculos grandes, de tamanho complexo, e com chances de sucesso inferiores através dos outros métodos.

Avaliamos caso a caso as características do paciente e dos cálculos para indicar a melhor solução indivualizada.

Como evitar a formação de novas pedras nos rins?

Muitas vezes o conselho mais útil é tomar bastante água e outros líquidos, pelo menos 1,5 litro ao dia. Mas além de se hidratar, podem ser necessários outros ajustes, como reduzir a quantidade de sódio na alimentação, aumentar a oferta de sucos cítricos, ou mesmo a introdução de medicamentos para reduzir, por exemplo, a quantidade de cálcio na urina. Sendo assim, para evitar a formação de novas pedras nos rins, é fundamental fazer um exame detalhado de sangue e da urina coletada ao longo de 24 horas, para uma análise minuciosa de todos os minerais que podem estar em excesso no sangue ou na urina.

Se você deseja tratar seus cálculos renais ou descobrir como evitar a formação de novas pedras, agende uma consulta com um especialista. Entre em contato através do telefone ou Whataspp (11) 93318-6484.